MARIANA ISIDRO

Junior Designer

A Mariana é um daqueles casos que contraria o ditado “depressa e bem não há quem”. Quando os trabalhos envolvem ilustração, a velocidade ainda é mais estonteante! Nesta entrevista, poderás ficar a conhecer os outros interesses da Mariana, a par da ilustração.

Uma imagem de infância que não esqueces.

Lembro-me da altura em que vivia com a minha mãe, tia e avó. A minha mãe e a minha tia andaram na universidade, ao mesmo tempo, no mesmo curso, e era uma festa constante! Os amigos da minha mãe iam lá a casa muitas vezes, eles eram simpáticos comigo e divertiam-me. 

Descreve a Mariana dessa altura.

Era genuinamente feliz. Vivia num mundo à parte, imaginava um mundo e era o melhor mundo de sempre! 

Uma asneira que fizeste na adolescência ou enquanto estudante universitária.

Sempre me portei bem. Na universidade, posso ter apanhado uma ou outra bebedeira mais agressiva, mas nunca fiz nenhuma asneira grave. 

Os teus amigos ou colegas tratam-te por alguma alcunha?

Não. Mariana, só. Normalmente, os brasileiros tratam-me por “Mari”. Há quem me chame também por “M”. Há outros nomes que me chamam ao calhas, mas não há nenhum nome que fique. Também não permito (riso). 

Uma coisa para a qual não tens jeito nenhum.

Não gosto de história. Nunca tive jeito. Não é que não me interesse. É interessante, mas é só giro saber às vezes. 

Uma receita que te sai sempre bem.

Pratos com massa. 

Um sítio que revisitas com frequência.

Costumo ir muitas vezes à mata de Gambelas, que fica ao pé da minha casa. Sinto-me muito bem quando lá vou. 

Três viagens que fazem parte da tua wish-list.

Alemanha, porque aprendi a falar alemão e quero aprender mais. Gostava de tirar um ano para visitar a Ásia. A outra viagem que gostava de fazer seria pelo sul da Europa. 

Uma pessoa, anónima ou famosa, para ir contigo em cada uma dessas viagens.

Eu não sei, eu só quero é ir! Até sozinha iria. (risos)

Um ritual de domingo.

Gosto de ir passear, ou andar de bicicleta, de passar tempo com a família, estar com amigos, ver séries.

A Lélia pergunta*: “Qual é a primeira coisa que fazes quando chegas a casa, depois do trabalho?”

Sentar-me no sofá com a minha família a falar do dia, da vida. 

Deixa uma pergunta para o colega que se segue*.

Que medo te impede de correr riscos?

*As entrevistas aos elementos da equipa da LCPA foram realizadas por ordem aleatória. No final, cada um foi desafiado a deixar uma pergunta para o colega que se seguia.