fbpx

Universal Music remove mais de 4 milhões de músicas do TikTok

A Universal Music Group (UMG), uma das maiores editoras discográficas do mundo, e o TikTok não chegaram a um acordo sobre a renovação do contrato de licenciamento musical.

Ao não renovar o contrato, os utilizadores da plataforma deixarão de poder usufruir de músicas da Universal Music Group para criar conteúdos no TikTok. Isto significa que artistas como Drake, Taylor Swift, The Weeknd, SZA, Rosalía, entre muitos outros, terão as suas músicas eliminadas da rede social.

Milhares de vídeos do TikTok têm vindo a perder os seus áudios e os utilizadores da plataforma já expressaram a sua insatisfação com a situação que, há meses, tem sido alvo de atenção por parte dos meios de comunicação social.
Numa carta aberta publicada em janeiro deste ano, a editora musical acusou o TikTok de pressioná-la a aceitar um acordo com termos desfavoráveis e abaixo do valor de mercado, não reconhecendo assim o valor que a música agrega à sua plataforma.

O TikTok lamentou a decisão do Universal Music Group, considerando-a “triste e dececionante”, acusando a editora de colocar “a sua própria ganância à frente dos interesses dos artistas”.

É um facto que o TikTok tem o poder para moldar a indústria musical, com a capacidade de influenciar estratégias de promoção e tendências. Como consequência, também consegue ser um “veículo” de promoção e descoberta de novos artistas.

Com mais de mil milhões de utilizadores, o TikTok é uma das redes sociais mais populares do mundo. No entanto, apesar das grandes editoras discográficas receberem direitos das plataformas de streaming e das redes sociais, o TikTok representa apenas 1% do volume de negócios total da Universal, segundo a própria editora.

O impasse entre a Universal Music Group e o TikTok significa uma redefinição do futuro no que respeita a presença da música nas plataformas digitais. O desfecho deste conflito moldará não apenas o TikTok, mas também o curso da indústria musical.